Puros de coração

 

 

A vida segue seu curso como um rio, ora calmo, ora agitado, enfrentando obstáculos e turbulências.

Em sua nascente, as águas são claras, puras, límpidas, como quando somos crianças, inocentes, puros de espírito.

Mas ao longo de seu curso, o rio cruza aldeias e cidades e, no contato com os homens, com a civilização, muitas vezes tem suas águas manchadas, poluídas, tem sua beleza destruída pela influência exterior.

Assim também somos nós, que nascemos puros de espírito, mas que ao longo da nossa existência terrena, nem sempre nos mantemos assim e manchamos a nossa alma com atos impensados, com atitudes contrárias aos ensinamentos do Cristo e contraímos débitos perante Deus, perante a humanidade.

Que possamos em nossa existência ser como o rio em sua nascente, de alma transparente, lúcida, límpida e nos mantermos assim, puros de coração.

 

Evanhoé (29/8/09)