Imaginem

 

Imaginem um lugar tranqüilo, onde imperasse o mais absoluto silêncio, onde se poderia ouvir o palpitar do coração e o sopro da respiração se nele houvesse pessoas.

Imaginem um lugar onde a paz reinasse entre as pessoas, onde não houvesse guerras, onde não se matasse por tão pouco, onde não houvesse violência, dor ou tristeza.

Imaginem um lugar onde a esperança reinasse nos corações, onde houvesse a certeza de que o amanhã será melhor, de que a vida nos reserva boas surpresas, a certeza da felicidade.

Imaginem um lugar onde as crianças pudessem brincar livres, inocentes, onde as crianças tivessem direito à educação, ao conhecimento, onde as crianças fossem amadas e jamais maltratadas, onde a criança pudesse ser criança, com toda a leveza própria da infância.

Imaginem um lugar onde a justiça imperasse. Não esta justiça dos homens, que muitas vezes vê apenas um lado da história, que vê apenas um ângulo da situação, não conhece a profundidade e a complexidade de todos os aspectos de determinada situação e toma decisões equivocadas e nem sempre justas aos olhos de Deus.

Imaginem um lugar onde a felicidade fosse a bandeira estampada nos lares e nos rostos de todos os seus habitantes, onde a alegria viesse de dentro, onde todas as pessoas pudessem estar em paz consigo mesmas, em paz com sua consciência.

Imaginem um lugar onde a morte não existisse, onde o sofrimento fosse uma lembrança tão distante que aparecesse somente como um alerta para continuar vivendo em paz.

E este lugar existirá dentro de nós, a partir do momento em que conseguirmos nos libertar das amarras que nos prendem à matéria densa e primitiva, a partir do momento em que conseguirmos amar verdadeiramente o nosso próximo, a partir do momento em que conseguirmos enxergar  as pessoas como nossos verdadeiros irmãos, filhos de um mesmo Pai, que nos ama, que não nos desampara e que só quer o nosso bem.

 

Um abraço do amigo e irmão de sempre,

Ulisses (23/02/08)