Minha vida

 

Passei a maior parte da minha infância nas ruas, entre outros meninos e meninas, que assim como eu, muito cedo ganhamos as ruas e deixamos o conforto de um lar, o afeto de nossos pais e perdemos qualquer possibilidade de nos tornarmos homens de bem, como a lição que vocês leram esta noite.

Muito cedo comecei a me envolver com drogas e com pessoas que, assim como eu, no início só queriam relaxar, se divertir, mas que depois tornamos isso nossa rotina, nossa vida, nosso dia a dia.

Não havia sequer um dia em que eu não me drogava, em que eu não partia em busca do “pó”, das “pedras” e que eu fazia o que fosse preciso para conseguir satisfazer o meu vício. Roubei, me envolvi nos piores crimes que vocês podem imaginar, com pessoas perigosas, que me incitavam a consumir cada vez mais e a envolver e viciar outros meninos, outras crianças inocentes, que perderam sua infância, sua vida, sua saúde, sua dignidade neste mundo perverso, pavoroso, que destrói vidas, que destrói futuros, que destrói tudo o que temos de bom dentro de nós.

Desencarnei muito jovem, destruí meu corpo com as substâncias venenosas que eu ingeria sem parar, sem controle sobre mim mesmo. Sofri, vaguei por muito tempo, sentia dores terríveis, não entendia o que estava acontecendo comigo, não entendia como eu podia continuar sentindo dor, sentindo vontade de consumir mais drogas, se eu estava morto, como percebi depois de um tempo. Como isso era possível? Eu não conseguia compreender no meu limitado entendimento sobre as coisas da vida e de Deus.

Deus... Hoje eu o trago vivo dentro de mim, trago Deus dentro do meu peito, vivo, e a cada dia agradeço a Ele a oportunidade que estou tendo de aprender, de me recuperar, de reconstruir o meu organismo, de iniciar uma nova vida. E peço perdão pelo que fiz comigo, de tudo que fiz meus pais sofrerem, de tudo que eu perdi, das oportunidades que joguei fora, do tempo desperdiçado...

Hoje tenho consciência do que eu passei, do que fiz aqueles que me amavam passar e tenho dentro de mim a certeza de que tudo poderia ter sido diferente se eu tivesse conhecido Deus na minha infância, se eu tivesse a confiança num futuro promissor, se eu soubesse da eternidade da vida.

Mas mesmo com toda a minha rebeldia, com toda a minha insanidade daquela época, Deus se compadeceu de mim e me enviou amigos que não quiseram saber quem eu era, o que eu tinha feito, nem me julgaram pelos meus atos. Deus foi misericordioso e me fez enxergar o que eu estive cego por tanto tempo, me fez ver o que realmente tinha importância e o que eu ainda poderia fazer no futuro.

Fui recolhido no Lar do Pouso para o Repouso, onde fui tratado, acolhido e, onde pude restabelecer parte das minhas energias e do meu perispírito que ainda está em processo de recuperação.

Hoje já me encontro bem melhor, em tratamento ainda, mas consciente da minha pequenez e da minha vontade de crescer, de me tornar alguém melhor.

Obrigado por me darem a chance de contar a minha história e que ela possa servir de exemplo para outras pessoas que talvez estejam passando pelo que eu passei.

Obrigado Senhor, pela dádiva da vida, pela oportunidade que me destes de conhecer estes amigos queridos que me acolheram e que se preocupam comigo e com meus companheiros.

Boa noite a todos. Fiquem em paz.

 

Elias (01/03/08)