Perdi tudo

Não sei explicar qual foi o momento exato em que eu deixei esta vida na Terra, mas o fato é que meu coração não agüentou, que a dose foi alta demais, foi forte demais para o meu organismo.
Há muito eu vinha exagerando, consumindo tudo o que vocês podem imaginar desordenadamente, de forma descontrolada e irresponsável.
Perdi meu emprego, perdi o amor dos meus pais e de meus verdadeiros amigos, perdi a noção do que era ter uma vida normal, uma vida de adolescente que eu era.
Perdi tudo o que eu tinha na vida, sofria demais com a falta das drogas em todas as vezes que fui internado e forçado a largar, mas depois de um tempo “recuperado”, começava tudo de novo.
Eu era fraco, não me esforçava o bastante para deixar as drogas, talvez porque no fundo, mesmo sabendo que elas me faziam mal, me tornavam prisioneiro de mim mesmo, eu gostava do efeito que elas me causavam, daquela euforia, daquela sensação de que eu podia tudo, de que eu não tinha problemas, de que eu não precisava me preocupar com nada.
Hoje sei que desperdicei tempo valioso, que tive uma existência, não diria em vão, pois tudo na vida, ainda que pelo sofrimento, é válido e importante para o nosso crescimento, para a nossa evolução.
Mas quanta coisa podia ter sido diferente, quanto sofrimento poderia ter sido poupado se eu não tivesse desequilibrado desta forma o meu organismo e não tivesse acabado com a minha vida.
Peço a Deus que me dê forças para que eu nunca mais caia em tentação e me aproxime desse horror que mata ainda em vida, que destrói famílias, que destrói futuros, que destrói sonhos.
Estou em tratamento ainda, mas hoje tenho lucidez para entender o que eu passei, o que eu mesmo procurei e trouxe para a minha existência.
Boa noite a todos.
Fiquem com Deus.

Pedro (14/06/08))