A compulsão foi maior 

Eu sabia que não deveria voltar lá. Não naquele momento pelo menos, enquanto eu estava devendo dinheiro para eles. Mas a compulsão foi maior, o desejo e a necessidade falaram mais alto do que a razão.
Eu acabara de consumir o último papelote e precisava de mais, precisava sentir aquilo novamente, mas a droga acabara.
E eu contrariando a razão, enganando meus pais para sair, fugi do meu quarto naquela noite e fui até os traficantes, até a “boca”, tentar conseguir mais drogas, comprar fiado, pois meu dinheiro acabara e meus pais não me davam mais nada e escondiam todo dinheiro na minha casa depois que descobriram que eu me drogava.
Eu queria mais e mais e fui atrás deles. Mas eu estava devendo dinheiro das vezes anteriores, eles andavam atrás de mim, me ameaçando, cobrando o que eu devia e eu não conseguia pagar. Eu fiz a última coisa que deveria ter feito. Fui para a “toca do lobo”, pois estava cego pela compulsão, pela dependência orgânica e psíquica. E fui feito prisioneiro. Além de não conseguir mais drogas, acabei perdendo a minha vida.
Quando desencarnei, não entendia o que estava acontecendo comigo, não entendia por que eu estava morto mas continuava sentindo dor, sentindo vontade das drogas, sentindo e ouvindo tudo.
Passei muito tempo assim até ser resgatado pelos amigos do “Lar do Pouso para o Repouso”.
Hoje sei que desperdicei muitas oportunidades, que não soube valorizar a boa vida material que eu levava, com tudo que um garoto pode querer, desde estudo, livros, brinquedos, até viagens, carros, motos, namoradas, tudo que o dinheiro podia comprar eu tive, mas não pude comprar a minha vida de volta, a minha adolescência perdida, os meus sonhos tragados pela morte, pela morte ainda em vida.
Pois as drogas matam não só o nosso corpo físico, mas matam a nossa vontade de viver, os nossos sonhos, o nosso futuro.
Jovens de todo o mundo: a mensagem que quero deixar aqui é para que vocês se afastem e se previnam contra as drogas. Elas com certeza cruzarão o seu caminho, com certeza vocês terão contato com elas, mais cedo ou mais tarde, ou conhecerão alguém que possa estar envolvido.
E de todo o coração eu digo: Afastem-se delas! As drogas são uma ilusão, uma falsa ilusão de alegrias, de poder, de bem estar que não existe, que não passam de uma primeira impressão, de uma euforia inicial que logo desaparece e dão lugar à dor, ao sofrimento, à escravidão e não à liberdade que muitos procuravam quando encontraram as drogas.

Um abraço sincero, Ricardo (24/05/08)