Primeiro de Junho 



Primeiro domingo de junho, também primeiro dia do mês, amanhã fará seis nos que desencarnei. Quanto tempo esperei por uma oportunidade como esta, de poder falar um pouco sobre o que passei, para que outros jovens não façam com suas vidas o que fiz com a minha.

Eu simplesmente acabei com a minha vida por causa das drogas. Me viciei de tal forma que nada resolveu. Nenhum tipo de tratamento, e por causa disso acabei sucumbindo numa overdose.

O meu corpo espiritual ficou tão debilitado que foi preciso muito tempo para que eu me recuperasse. Eu tinha fortes crises de abstinência, sofri muito, mas fui muito bem tratado por todos os irmãos que trabalham na estação “Pouso para o Repouso”.

Depois de tanto sofrimento e sendo tão bem cuidado ainda fui agraciado com tanto aprendizado sobre o que fiz comigo, as conseqüências que ainda virão quando eu reencarnar e o entendimento de que a morte do corpo não é o fim da vida. Eu poderia até dizer que é apenas o início dela porque, aprendi, somos espíritos eternos.

Recebi esta chance e quero dizer a todos meus irmãos que estão na juventude, que afastem-se das drogas ou busquem auxílio para largar delas se já as usam.

Usar drogas nos leva para o fundo do poço, um caminho quase sem volta, no qual às vezes só conseguimos melhorar após a morte do corpo físico, e isso trás muito sofrimento a nós mesmos e aos que nos amam.

Eu digo isso pela minha experiência. E, como um irmão em Deus, não desejo que outros passem pelo que eu passei.

Esforço-me cada dia mais para, agora, ter uma palavra de auxílio a quem aqui chega nestas condições.

Agradeço pela acolhida, em nome de Deus, e por ter a oportunidade de estar me regenerando ao lado de irmãos tão abnegados, servidores na Sear do Cristo.

Paz em Jesus e um abraço fraterno,

Júnior.



(mensagem psicografada 31/05/2008)