Noite fria...

 

Está tão frio hoje à noite...

E noites frias como essa, me fazem lembrar dos tempos difíceis que passei nas ruas.

Éramos vários meninos e meninas jogados à própria sorte, dormindo em calçadas frias, embaixo de viadutos, usando pedaços de papelão, cobertores velhos e trapos imundos para nos esquentarmos, para tentar amenizar o frio. E é claro, a melhor forma de afugentar o frio eram as drogas. Não havia nada melhor do que as drogas para o frio passar, pois ficávamos anestesiados pelos seus efeitos e aí, a fome e o frio, a dor, tudo sumia.

E a gente conseguia dormir pele menos um pouco. Mas quando eu acordava a sensação era terrível e eu já acordava querendo mais, pois quando o efeito passava, tudo voltava e o sofrimento era ainda maior.

Aquilo não era vida.

Quem vive nas ruas enfrenta todo tipo de violência, presencia coisas erradas, às vezes até crimes, passa fome, frio, não tem para onde ir, não tem um lugar decente para dormir, para tomar banho e depois de um trecho esquece até que é gente, vira meio bicho.

Como fui parar nas ruas? Foi por causa da maldita droga.

Quando meu pai descobriu, tentou me ajudar, me internaram, me tratei, fiquei um tempo limpa, mas depois voltei a andar com a turminha da pesada que me apresentou as drogas e voltei a consumir. Novamente meu pai tentou me ajudar, mas quando ele quis me internar de novo, eu não quis e fugi. Fugi para bem longe, para outra cidade, onde minha família não pudesse me encontrar.

E fui ficando. Conheci um pessoalzinho que também era usuário de drogas, passávamos o dia vadiando numa praça, pedindo dinheiro no farol.

E à noite, nos reuníamos para fumar, para injetar, para cheirar tudo o que vocês podem imaginar.

Estou com tanto frio... Só que agora não tenho mais as drogas para me anestesiar. Não sei mais o que fazer, cansei dessa vida, mas não tenho ninguém, não tenho para onde ir.

Espere... Estou recebendo um convite. Tem uma pessoa segurando as minhas mãos e me chamando para seguir com ela. Ela diz que se eu quiser ser ajudada, se eu quiser deixar essa vida, eles me ajudarão, me darão uma nova chance, um lar, um lugar onde eu possa me sentir em paz.

Vou seguir com ela sim. Estou cansada, com frio, com dor e preciso muito de ajuda.

 

Obrigada,

Pamela (23/05/09)