Morri cheio de ódio

 

Trago muita mágoa em meu coração.

A tristeza e o remorso me consomem.

A culpa por todas as coisas que fiz, por todas as pessoas que fiz sofrer, me persegue, como se fosse minha própria sombra, que não me deixa ter paz, que me impede de seguir adiante.

Vivo preso ao passado, a todas as coisas erradas com as quais me envolvi, a todas as pessoas que eu desencaminhei, que eu viciei, que eu envolvi com o vício para poder sustentar o meu vício. O que eu fazia era “passar” a droga para jovens da escola em que eu estudava e assim eu tinha a minha droga de graça, esse era o pagamento pelo meu trabalho.

Mas essa droga que eu conseguia “de graça” me escravizou, me tornou uma marionete nas mãos dos traficantes. Quando eu quis parar, quando eu quis deixar de viciar os meus colegas e até mesmo crianças, eles não deixaram, me ameaçaram, me impediram e eu continuei até o dia em que eles não precisaram mais de mim e acharam que eu sabia demais...

E então se livraram de mim. Como algo que é jogado fora, pois seu tempo já passou, pois já não serve mais, como algo descartável.

Morri cheio de ódio contra os que fizeram isso comigo. Mas também senti o poder do ódio daqueles que me acusavam de ter feito aquilo com eles.

A vida é engraçada. Num dia você está por cima e de uma hora pra outra, tudo vira de ponta cabeça e você passa a ser culpado.

Hoje me trouxeram aqui pois pedi ajuda, rezei e pedi ajuda pois estou cansado de tanto sofrer, estou cansado de ser perseguido pela minha própria culpa.

Vou seguir com eles e aceitar o convite para me tratar em um lugar onde me dizem que vou recuperar a minha vida, onde voltarei a dormir em paz.

Obrigado e uma boa noite.

 

Samuel (12/04/08)